Enfartes Tratados no Sul do País Têm Maior Risco de Readmissão e Morte

O jornal Público divulgou um estudo efectuado pela investigadora Mariana Lobo, do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (Cintesis), em que se conclui que casos de enfarte tratados no sul do país têm maior risco de readmissão e morte.

Ao serem analisados, entre 2012 e 2015, mais de 38 mil registos de internamento provenientes de 37 centros hospitalares públicos portugueses, pode concluir-se que os cuidados de saúde prestados aos doentes que sofrem de enfarte são distintos a nível nacional.

Um doente que sofra um enfarte agudo do miocárdio tem um maior risco de mortalidade, risco este que pode chegar aos 30%, se for tratado num hospital da região Sul, comparativamente com um doente que for assistido numa unidade hospitalar do Norte do país. Para além do maior risco de mortalidade, existe uma maior probabilidade de os doentes que tiveram alta serem readmitidos nas urgências um mês depois.

Verificou-se ainda, no estudo, que a duração média de internamento foi de cinco dias e que cerca de 10% dos doentes faleceram durante o período de hospitalização. Na maioria, os doentes são do sexo masculino, com uma média de idades de 69 anos.

Enfartes Tratados no Sul do País Têm Maior Risco de Readmissão e Morte

Fonte: In "sapo.pt"

Etiquetas: enfartes, morte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.