Nós usamos cookies para melhorar o nosso serviço. Ao usar o Em Forma, está a consentir à utilização de cookies. Aceitar Saber mais


Para os Amantes do Queijo

O queijo deve ser evitado porque tem muita gordura contribuindo para o aumento do colesterol e das prováveis doenças cardíacas. Esta é uma afirmação que se ouve há já alguns anos e que tem levado a um crescente cuidado em consumir apenas queijos magros. Mas, agora parece que esta declaração, embora sendo verdade pode ser bem mais que isso.

Presentemente há quem afirme que o segredo de se viver mais tempo está mesmo na ingestão frequente do queijo. Esta é uma afirmação que tem por base um estudo realizado na Universidade de Aarhus, na Dinamarca, que refere que os franceses são mais saudáveis em resposta ao seu consumo de queijo, apesar de todo o seu estilo de vida.

Segundo parece o queijo contem propriedades que até agora eram desconhecidas. Comer queijo com regularidade ajuda a melhorar o metabolismo, e reduz o risco de obesidade e aumenta a longevidade. Inicialmente pensava-se que era a ingestão de vinho que levava a que os franceses fossem mais saudáveis, mas afinal a conclusão foi mesmo referente ao queijo. As potencialidades do queijo podem estar associadas ao facto de que os lacticínios fermentados contribuem para melhores condições de saúde.

Na verdade as doenças cardíacas em França têm uma incidência muito baixa e sabe-se que cada seu habitante come cerca de vinte e quatro quilos de queijo por ano. É do conhecimento geral também que a sua esperança média de vida é de oitenta e dois anos. Se compararmos com o Reino Unido (onde existem dados contabilizados) sabe-se que cada habitante come apenas metade da quantidade de queijo referenciada em França, que a média de vida é de oitenta e um anos, mas que a incidência das doenças cárdicas aumenta significativamente.

Neste estudo foram incluídos apenas quinze homens, uma amostra muito pequena para grandes conclusões, mas na verdade os seus resultados vieram de encontro aos resultados da investigação realizada em 2012 e que afirmava que o queijo Roquefort possuía propriedades anti-inflamatórias.

Avalia este conteúdo
2.5/5 (1 votos)
Etiquetas: colesterol, doenças cardíacas, gordura, longevidade, metabolismo, queijo, queijos magros, risco de obesidade, vinho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.