Doença Arterial Periférica


Doença Arterial Periférica no Wikipedia
A doença arterial periférica caracteriza-se por ser uma doença de natureza obstrutiva do lúmen arterial, de grandes artérias que não formam parte da vasculatura coronária, arco aórtico ou cerebral, resultando num défice de fluxo sanguíneo aos tecidos cuja principal consequência é a presença de sinais e sintomas característicos de isquemia (falta de irrigação sanguínea) aguda ou crónica. Na maior parte dos casos a aterosclerose é a causa desta patologia. Quando as artérias espessam no coração dá-se-lhe o nome de doença arterial coronária, enquanto que no cérebro a patologia é denominada doença cerebrovascular. A doença arterial periférica costuma afectar as pernas, embora possa também atingir outras artérias. Um dos sintomas habituais é a dor nas pernas ao caminhar, que pode ser amenizada com repouso – a chamada claudicação intermitente. Outros sintomas incluem úlceras isquémicas, cianose, pele fria ou fraco crescimento das unhas e pêlos no membro afectado. Podem ocorrer complicações como infecções ou morte do tecido, que exige amputação; aterosclerose coronária; ou acidente vascular cerebral. 50% dos casos de DAP são assintomáticos.O principal factor de risco é o tabagismo. Outros factores de risco incluem a diabetes, hipertensão arterial e hipercolesterolemia. O mecanismo subjacente é normalmente o da aterosclerose. Outras causas estão relacionadas com o espasmo da artéria. A DAP é tipicamente diagnosticada depois de identificado um índice tornozelo-branquial inferior a 0,90 que consiste na tensão arterial sistólica no tornozelo dividida pela tensão arterial sistólica do braço. Também pode utilizar-se a ultrassonografia com duplex e a angiografia. A angiografia é mais precisa e permite que o tratamento possa ser feito ao mesmo tempo; contudo, está associada a maiores riscos.Não é clara a eficácia do rastreio da doença, pois não foi ainda devidamente estudado. Naqueles que tenham claudicação intermitente causada pela DAP, recomenda-se a fisioterapia e o abandono do tabaco para melhorar os resultados e aumentar a probabilidade do paciente aderir a seu plano de tratamento. A prescrição de medicamentos como estaminas, inibidores de ECAs e cilostazol também pode ajudar. A aspirina parece não resultar em pessoas com a doença amena, no entanto recomenda-se para aqueles com uma condição mais grave da doença. Os anticoagulantes como a varfarina não costumam trazer grande benefício ao paciente. Os métodos utilizados no tratamento da doença envolvem a revascularização, a angioplastia e a aterectomia.Em 2010, cerca de 202 milhões de pessoas em todo o mundo padeciam de doença arterial periférica. No mundo desenvolvido, a doença afeta cerca de 5,3% de pessoas entre os 45 e 50 anos e 18,6% entre os 80 e 90 anos. Nos mundo em desenvolvimento afeta cerca de 4,6% de pessoas entre os 45 e 50 anos e 15% entre os 85 e 90 anos. No mundo desenvolvido a DAP é igualmente comum entre homens e mulheres enquanto que no mundo em desenvolvimento as mulheres são geralmente as mais afetadas. Em 2013, a DAP provocou cerca de 41 000 mortes, superando as 16 000 mortes em 1990.

Ver Doença Arterial Periférica no Wikipedia
Etiquetas: doença arterial periférica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.