Cérebro Alterado Permanentemente Após Se Estar Grávida

Ficar grávida e ter um filho é o desejo da maioria das mulheres, preparando-se estas psicologicamente para a chegada de tão desejado membro. Estar grávida é um estado de graça, dizem os mais velhos, mas também afirmam que as mulheres quando ficam grávidas ficam mais “burras”. Esta última afirmação não parece ter nada de verdadeiro, no entanto uma investigação levada a cabo no Canadá veio afirmar que quando se fica grávida, é alterada de forma permanente a forma como o cérebro funciona.

O cérebro da mulher passa por um crescimento após o parto que modifica comportamentos e aumenta a motivação. A área aumentada do cérebro envolve o raciocínio, motivação, emoções. Desta forma, o ser mãe fica mais intenso, determinante para contribuir no cuidado e desenvolvimento com a criança.

O cérebro da mulher passa por um crescimento após o parto que modifica comportamentos e aumenta a motivação. A área aumentada do cérebro envolve o raciocínio, motivação, emoções. Desta forma, o instinto maternal fica mais intenso, determinante para contribuir no cuidado e desenvolvimento com a criança.

Ficar grávida e dar mais um elemento à família faz com que a vida nunca mais volte a ser a mesma, disto não há qualquer dúvida. Liisa Galea, investigadora da Universidade da Columbia Britânica realizou um estudo que pretendia perceber como é que as fêmeas dos mamíferos se comportam, quer a nível psicológico, quer a neurológico em duas fases distintas: antes e depois da gestação. Os resultados deste estudo vão de encontro aquela afirmação que nos parece um tanto ou quanto descabida. Eles vêm revelar que as fêmeas que têm filhos demonstram uma reação ao estrogénio com capacidade para dificultar a aprendizagem. Por outro lado aquelas que nunca experimentaram a felicidade de serem mães, “aproveitam” o estrogénio para melhor potencializarem as suas capacidades para captarem novos conhecimentos.

O citado estudo afirma ainda que aquando da menopausa, a reação aos medicamentos de substituição hormonal pode ser diferente caso a mulher tenha já tenha estado grávida ou não. A cientista atesta e alerta que este facto “deve ser levado em linha de conta pelos médicos, ao prescreverem este tipo de medicação”.

Muitas vezes ouvimos as grávidas dizerem “parece que estou burra” e Liisa Galea apresenta uma explicação para este raciocínio dado que as grávidas sentem mesmo as suas capacidades de raciocínio afetadas. Para a investigadora as grávidas têm “uma combinação de altos níveis de hormonas com uma efetiva redução da massa cinzenta” e cerca de seis por cento do seu cérebro é afetado.

Etiquetas: efeitos no cérebro, pós parto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.