Nós usamos cookies para melhorar o nosso serviço. Ao usar o Em Forma, está a consentir à utilização de cookies. Aceitar Saber mais


Como tirar o máximo rendimento do cardio para perda de gordura

A maior taxa de queima de gordura ocorre assim a intensidades moderadas, 60-65% VO2max, que corresponde a cerca de 65 a 75% da taxa de batimento cardíaco máxima para a maior parte das pessoas (Autor: Imagem em domínio público)

A maior taxa de queima de gordura ocorre assim a intensidades moderadas, 60-65% VO2max, que corresponde a cerca de 65 a 75% da taxa de batimento cardíaco máxima para a maior parte das pessoas (Autor: Imagem em domínio público)

Para que a percentagem máxima de gordura seja proveniente de gordura, as intensidades do exercício devem ser bastante baixas, no entanto, este tipo de intensidades acaba por fazer com que a quantidade de calorias gasta seja “muito” reduzida, pelo que não se torna propriamente no método mais eficiente para queimar gordura.

Teremos assim de encontrar um meio-termo, entre a percentagem de gordura usada como fonte de energia, e o total de calorias gastas como o exercício, de modo a tornarmos o processo de queima de gordura o mais rentável possível para o nosso objetivo.

[-] Índice de conteúdos

Aumentando a Intensidade do Exercício Será Queimada Mais ou Menos Gordura?

Aumentando a intensidade do exercício, o gasto calórico total será maior, pelo que será queimada uma maior quantidade de gordura e de hidratos de carbono. No entanto a percentagem de gordura será menor que na situação anterior. Apenas 25% do nosso trabalho muscular é usado para a sua função, sendo que os outros 75% serão dissipados maioritariamente como calor (daí nós suarmos, para mantermos constante a nossa temperatura corporal), e o aumento da circulação sanguínea de modo de modo a transportar mais oxigénio às células, e à pele, devido à transpiração.

Estes dois fatores (mais sangue no musculo trabalhado e aumento da circulação sanguínea para a pele devido ao suor) fazem com que haja um menor fluxo sanguíneo junto das reservas de gordura, pelo que estas serão libertadas em menor quantidades na corrente sanguínea, pelo que o aumento de intensidade irá diminuir a quantidade de gordura libertada. Um outro fator limitante da gordura como fonte de energia, é o facto das células adiposas terem uma quantidade máxima de libertação de ácidos gordos para a corrente sanguínea.

O músculo, para intensidades moderadas a leves vai começar por gastar as suas próprias reservas de gordura, mas tendo em conta que estas são limitadas, assim que começarem a ser reduzidas, ele irá passar a usar a gordura vinda das células adiposas que foi anteriormente degradada e posteriormente libertada na corrente sanguínea.

Zona em Que se Maximiza a Queima de Gordura

A maior taxa de queima de gordura ocorre assim a intensidades moderadas, 60-65% VO2max, que corresponde a cerca de 65 a 75% da taxa de batimento cardíaco máxima para a maior parte das pessoas. Nestas circunstâncias, poderemos conseguir queimar entre 0,5-0,8 gramas de gordura por minutos. No entanto, esta quantidade de gordura queimada, bem como a quantidade total de calorias gastas, irá depender de outros fatores e como peso da pessoa, capacidade aeróbia por exemplo, mas irá estar normalmente dentre de um raio de 8-15 calorias por minutos, sendo a contribuição em termos de gordura de 50-70% do gasto calórico total, que muito se deve ao facto da reservas de glicogénio devido ao nível de intensidade mais elevado esvaziarem. Para durações mais elevadas, a percentagem de gordura queimada tende a estar no limite superior, enquanto para duração mais curtos tende para o limite inferior.

No entanto, treinos aeróbios ajudam o corpo a saber gerar energia a partir de gordura de forma mais eficiente, uma vez que as reservas de glicogénio, facilmente são esvaziados numa única sessão de treino, pelo que o corpo tem de saber utilizar outras fontes para gerar energia. À primeira vista isto pode parecer que tem apenas aspetos positivos, pois o corpo irá assim queimar energia mais facilmente, energia essa que vem dos tão indesejados depósitos de gordura, mas, o que acontece, é que essa eficiência vai-se traduzir também numa necessidade de quantidades inferiores de gordura para a produção de energia, uma vez que esta é aproveitada de uma forma mais eficiente, especialmente a gordura intramuscular, o que faz com que demore mais tempo até começarmos a usar realmente a gordura vinda dos nossos adipócitos como fonte de energia, e esta acaba por ser usada em menores quantidades.

Dá assim para termos uma ideia da melhor maneira de usar o cardio de forma o mais eficientemente possível para queima de gordura, no entanto como podemos ver pela última parte, o corpo vai-se habituando ao exercício, e os gastos tanto calóricos como de gordura serão cada vez menores, pelo que isto nos leva para a importância da dieta numa perda de peso gradual e contínua, pois o nosso corpo, vai sempre acabar por se ir adaptando aos esforços a que o submetemos no sentido de gastar sempre a menor quantidade de energia possível, pelo que a dieta terá de estar de acordo com as alterações impostas pelo nosso corpo de modo a conseguirmos continuar a evoluir a ritmo favorável.

Avalia este conteúdo
4.25/5 (4 votos)
Etiquetas: dieta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.