Nós usamos cookies para melhorar o nosso serviço. Ao usar o Em Forma, está a consentir à utilização de cookies. Aceitar Saber mais


Doenças do Coração

Arritmia, hipertensão, hipotensão, enfarte do miocárdio e tumor no coração são algumas das doenças cardiovasculares mais conhecidas em Portugal, mas, como não são conhecidas o suficiente, encontrará mais abaixo uma breve descrição de cada uma destas doenças para que seja mais fácil para os portugueses identificá-las prontamente.

[-] Índice de conteúdos

Arritmia Cardíaca

A arritmia cardíaca é uma designação genérica atribuída às diversas perturbações que alteram o ritmo cardíaco.

Estas perturbações podem levar a batimentos excessivamente rápidos (taquicardia) ou demasiado lentos (bradicardia).

Arritmia, hipertensão, hipotensão, enfarte do miocárdio e tumor no coração são algumas das doenças cardiovasculares mais conhecidas em Portugal (Autor: Denise Chan)

Arritmia, hipertensão, hipotensão, enfarte do miocárdio e tumor no coração são algumas das doenças cardiovasculares mais conhecidas em Portugal (Autor: Denise Chan)

A maioria das arritmias são muito ligeiras e inofensivas, mas existem algumas que podem ser extremamente graves e mesmo levar à morte.

A causa mais frequente das arritmias é a alteração das artérias que irrigam o coração, o mau funcionamento das válvulas e a insuficiência cardíaca.

Actos simples como beber e fumar podem originar pequenas alterações no ritmo cardíaco.

Os sintomas habituais são palpitações (sentir o próprio batimento do coração), enjoo, vertigem e desmaios.

Hipertensão e Hipotensão

A hipertensão e a hipotensão arterial correspondem a situações em que os valores de tensão arterial não correspondem minimamente aos valores considerados normais, mais ou menos 140 – 90.

Quando a tensão arterial está mais baixa do que a normal, isto significa que o sujeito está com hipotensão. Quando a tensão está mais alta, isto significa que o sujeito está com hipertensão.

A hereditariedade e a idade são os dois factores a ter em atenção. Em geral, quanto mais idosa for a pessoa, maior é a probabilidade de desenvolver distúrbios de tensão arterial.

Enfarte Agudo do Miocárdio

O enfarte agudo do miocárdio é uma urgência médica na qual parte do fluxo sanguíneo que chega ao coração se vê reduzida ou interrompida de maneira brusca e grave.

Como consequência, existe destruição (morte) do músculo cardíaco (miocárdio) por falta de oxigénio.

A causa mais frequente de obstrução de uma artéria coronária é um coágulo sanguíneo. Geralmente, a artéria já está parcialmente estreitada por ateromas.

Um ateroma pode rebentar ou rasgar-se e criar mais obstrução, o que provoca a formação de um coágulo.

O ateroma rebentado não só diminui o fluxo de sangue através de uma artéria, mas também faz com que as plaquetas se tornem mais aderentes e isso aumenta ainda mais a formação de coágulos.

De um modo geral, o sintoma mais típico é a dor no meio do peito que se estende às costas, ao maxilar, ao braço esquerdo ou, com menor frequência, ao braço direito.

A dor pode aparecer numa ou em várias destas localizações e, pelo contrário, não no peito.

A dor de um enfarte é semelhante à da angina de peito, mas é, geralmente, mais intensa, dura mais tempo e não se acalma com o repouso ou com a administração de nitroglicerina. Outros sintomas incluem uma sensação de desfalecimento e de um forte martelar do coração.

Durante um enfarte, o doente pode sentir-se inquieto, suado, ansioso e experimentar uma sensação de morte iminente. Há casos em que os lábios, as mãos ou os pés se tornam ligeiramente azuis (cianose). Também pode observar-se desorientação nos idosos.

Apesar de todos estes possíveis sintomas, uma em cada cinco pessoas que sofrem um enfarte têm sintomas ligeiros ou mesmo absolutamente nenhum.

Tumores do Coração

Um tumor é qualquer tipo de crescimento anormal, canceroso (maligno) ou não canceroso (benigno).

Os tumores que têm origem no coração denominam-se tumores primários e desenvolvem-se em qualquer dos seus tecidos.

Os tumores secundários são os que têm origem em qualquer outra parte do corpo e que depois se disseminam para o coração; estes são sempre cancerosos.

Os tumores secundários são entre 30 e 40 vezes mais frequentes que os primários.

Os tumores cardíacos podem não causar sintomas ou então originar um mau funcionamento do coração, semelhante ao provocado por outras doenças do mesmo.

Exemplos de mau funcionamento podem ser uma insuficiência cardíaca súbita, o aparecimento brusco de arritmias e uma queda súbita da pressão arterial por uma hemorragia no pericárdio (a membrana que envolve o coração).

Avalia este conteúdo
4.375/5 (4 votos)
Etiquetas: coração, enfarte, enfarte agudo do miocárdio, hipertensão, hipertensão e hipotensão, tumores do coração, vertigem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.