Nós usamos cookies para melhorar o nosso serviço. Ao usar o Em Forma, está a consentir à utilização de cookies. Aceitar Saber mais


Os Efeitos da Cafeína na Saúde

Na tentativa de tornar os seus medicamentos para a tosse mais saborosos, Dr. John Pemberton, inventou em 1886 em Atlanta, aquela que viria a ser a bebida mais popular em todo o mundo, a Coca-Cola.

Dos ingredientes constavam um xarope doce, água, uma folha da planta da cocaína e cafeína.

A cafeína pertence ao grupo das metil-xantinas e encontra-se presente em cerca de 60 espécies de plantas no mundo e numa grande quantidade de alimentos, como o café, o guaraná, cola, cacau ou chocolate, chás e também em medicamentos como a aspirina e em inibidores do apetite.

A cafeína é desprovida de valor nutricional mas é rapidamente absorvida e distribuída no organismo, possuindo a capacidade de estimular o sistema nervoso central.

Embora o seu consumo moderado não se encontre associado a nenhum risco para a saúde, existem excepções, como é o caso de mulheres grávidas, crianças e de indivíduos com problemas cardíacos ou com úlceras gástricas.

Exceptuando estes últimos casos, e no âmbito de um consumo moderado, foram associados à cafeína alguns benefícios que serão de seguida abordados.

[-] Índice de conteúdos

Benefícios do Consumo de Cafeína

Aumento da mobilização de ácidos gordos (gorduras).

Um benefício atribuído ao consumo de cafeína encontra-se associado à sua capacidade de estimular a lipólise (quebra de moléculas de gordura no organismo), o que poderá favorecer o emagrecimento.

No entanto, esta acção representa um custo elevado ao organismo: com a mobilização dos depósitos de gordura, aumentam os níveis das mesmas no sangue, podendo haver elevação dos níveis de colesterol sanguíneo e consequente aumento do risco de enfarte.

Um benefício atribuído ao consumo de cafeína encontra-se associado à sua capacidade de estimular a lipólise (quebra de moléculas de gordura no organismo), o que poderá favorecer o emagrecimento (Autor: Imagem em domínio público)

Um benefício atribuído ao consumo de cafeína encontra-se associado à sua capacidade de estimular a lipólise (quebra de moléculas de gordura no organismo), o que poderá favorecer o emagrecimento (Autor: Imagem em domínio público)

Acréscimo do uso de triacilgliceróis musculares.

A mobilização dos depósitos de gordura no organismo permite que, por exemplo em atletas com actividade física intensiva, o organismo utilize a gordura como fonte de energia, em vez do glicogénio muscular.

Diminuição da fadiga (cansaço no exercício) e retardamento do seu início.

O facto de o organismo utilizar a gordura como fonte de energia, conduz a uma maior resistência à fadiga. Contudo, trata-se de um resultado que deve ser rigorosamente controlado, quer devido aos efeitos colaterais, quer pelo facto de a cafeína estar incluída nos regulamentos de doping de todas as federações desportivas (exemplo, Comité Olímpico Internacional).

Produção de um estado de alerta de curta duração, aumento da atenção e concentração mentais.

Alguns estudos associam ao consumo de cafeína uma melhoria de algumas funções cognitivas (não ao nível da precisão, mas de rapidez), parecendo esta ser útil no tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção. Contudo, poderá ter como resultado negativo o desencadear de sintomas semelhantes aos da ansiedade. Em doentes com Transtorno de Pânico, a administração de cafeína equivalente a quatro a seis chávenas de café leva a que elevada proporção desenvolva ataques de pânico, quando comparados com os indivíduos que não sofrem deste transtorno.

Melhoramento do humor

Os efeitos da cafeína podem variar de indivíduo para indivíduo (depende das condições em que se encontra o organismo que a consome, do tipo e quantidade do produto consumido, entre outras), podendo ser igualmente distintos para o mesmo indivíduo em diferentes ocasiões (altura do dia a que é consumida, por exemplo).

Contudo, o consumo frequente desta substância provoca dependência moderada, sendo que a sua interrupção brusca pode mesmo causar dores de cabeça, sonolência, irritabilidade, náuseas e até vómitos.

O consumo excessivo de cafeína acarreta consequências negativas para a saúde, que não devem ser desprezadas. A cafeína foi uma das primeiras substâncias a ser usada como diurético (que aumenta a excreção urinária). Não havendo reposição da água perdida, pode iniciar-se um processo de desidratação, que não for revertido, poderá ter consequências graves para o organismo.

Consumos superiores a 250mg de cafeína por dia parecem estar associados a perturbações do sono, taquicardia (aumento da frequência cardíaca) e um maior risco de úlceras (por estimulação da secreção de ácido clorídrico no estômago). Este último aspecto é controverso, na medida em que alguns estudos associam ao aumento da estimulação gástrica, não à cafeína em si, mas a outros componentes do café.

A ingestão excessiva de produtos que contêm cafeína, pode ainda interferir na absorção de nutrientes necessários ao organismo, como é o caso do ferro.

Em crianças, consumos não controlados, podem mesmo desencadear redução no apetite. Sendo uma das substâncias farmacológicas mais usadas em todo o Mundo, a cafeína merece assim especial atenção.

Estudos recentes associam-na a novos benefícios para a saúde humana (por exemplo, possíveis efeitos na doença de Parkinson), mas os riscos que advém de consumos crónicos e excessivos deverão estar sempre presentes.

Efeitos Negativos da Cafeína

  1. Causa dependência e provoca o chamado efeito de tolerância, isto é, com o tempo têm de ser ingeridas cada vez maiores doses para se obter o mesmo efeito.
  2. Caso contrário, aparecem sintomas de privação: dores de cabeça, irritabilidade e incapacidade de concentração.
  3. Alguns estudos concluíram que existe uma relação entre o seu consumo e o risco de doenças cardiovasculares.
  4. Outras investigações sugerem a possibilidade de aumento do cancro do pâncreas.
  5. Associada a uma alimentação pobre em cálcio, a ingestão de cafeína pode afectar a densidade óssea na menopausa.
  6. Aumenta a tensão arterial (mas não está provada ainda uma associação directa com a hipertensão).
  7. Pode ter efeitos adversos sobre o feto: atrasos de crescimento, baixo peso e aborto espontâneo. Por causa disto, a Agência de Segurança Alimentar do Reino Unido recomendou que as grávidas devem ter especial atenção em não ultrapassar o tal limite dos 300mg (2-3 cafés).
  8. Aumenta a produção de ácido no estômago irritando a mucosa gástrica (deve ser evitado por pessoas com úlceras).
  9. A acção diurética pode propiciar a perda de alguns minerais essenciais, como sódio, cloro e, em menor quantidade, potássio.
  10. Em pessoas não habituadas pode causar inquietação, nervosismo, excitação, insónias e rubor facial.
  11. Está associada a algumas patologias cardiovasculares, como arritmia cardíaca e taquicardia.

Conclusão

Apesar dos estudos, ainda hoje, algumas das implicações sobre a saúde do consumo da cafeína não estão esclarecidas.

O que se pode tomar como certo é que, ingerida moderadamente, estimula o humor e aumenta o estado de vigília (o que acontece porque inibe a acção da adenosina, um químico que funciona como sedante natural).

Mas não se iluda, apesar de socialmente aceite, é uma substância psicoactiva potente.

Avalia este conteúdo
4.1/5 (8 votos)
Etiquetas: água, benefícios do consumo de cafeína, café, cafeína, coca cola, efeitos negativos da cafeína, enfarte, guaraná, planta da cocaína, segurança, xarope doce
Um comentário sobre “Os Efeitos da Cafeína na Saúde
  1. Tiago Botelho disse:

    Parabéns pelo artigo, compartilho mais um artigo sobre o mesmo tema:

    http://alimentosmaissaudaveis.blogspot.com.br/2013/09/suplemento-de-cafeina.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.