Queimadura Solar

Uma queimadura solar trata-se de uma queimadura na pele. Tal, deve-se à super-exposição aos raios ultravioletas, UV, usualmente de raios solares.

O mesmo efeito pode produzir-se por uma super-exposição a outras fontes artificiais de UV, como lâmpadas de bronzeamento.

Como principais sintomas, a queimadura solar provoca pele avermelhada e quente ao toque, com sensação de ardor e leve tontura.

A longo prazo, as queimaduras solares contribuem para o desenvolvimento do cancro de pele. Para evitá-lo, deve usar-se protetor solar, roupas e chapéus. A exposição ao sol deve limitar-se ao período de tempo compreendido entes as 10h e as 16h do dia.

[-] Índice de conteúdos

As Várias Radiações Solares

Existem três: a UVA; a UVB e a UVC. Esta última é quase totalmente absorvida pela atmosfera.

As radiações UVA e UVB ultrapassam as camadas protetoras, causando queimaduras, mesmo em breves períodos de exposição ao sol.

Desenvolvimento da Queimadura Solar

Depois da exposição, a pele pode tornar-se vermelha de 2 a 6 horas.

Inicialmente, há uma vermelhidão ou eritema, a que se seguem diversos graus de dor, proporcionais à duração e intensidade da exposição. A dor é, geralmente, mais forte de 6 a 48 horas após a exposição.

A queimadura continua a desenvolver-se de 24 a 72 horas. Pode ser seguida por uma escamação da pele em 3 a 8 dias. A escamação e a comichão podem prolongar-se durante várias semanas

A queimadura surge quando a radiação UV incidente supera a capacidade de proteção da melanina da pele. A concentração do pigmento melanina varia bastante entre as pessoas, sendo que as pessoas de pele mais escura possuem mais melanina do que as pessoas de pele mais clara. Por esse motivo, há maior incidência de queimaduras solares entre as pessoas de pele mais clara.

Como sintomas vulgares da queimadura solar estão:

– a fraqueza,

– a dor;

– o edema;

– a comichão;

– a escamação da pele,

– a náusea;

– a febre;

– o sentimento de queimadura da área afetada, porque uma pequena quantidade de calor é libertada da queimadura.

As queimaduras solares podem ser de 1º ou de 2º grau. As queimaduras menores só provocam uma pequena vermelhidão nas zonas afetada, mas as mais severas provocam a existência de bolhas.

Sequelas das Radiações Solares e da Queimadura Solar

No UVB 320nm, faixa de transição com o UVA, está a faixa responsável pela severidade das queimaduras solares, por dois fatores:

– a atividade eritemal, como efeito característico dos diferentes comprimentos de onda de radiação na pele;

– a radiação solar, isto é, o quanto de qualquer comprimento de onda de radiação solar pode ser esperado a ser incidente na superfície da Terra.

A luz UVB, o nível celular, provoca dano ao DNA, o que pode ser passado para gerações seguintes de uma célula progenitora, aumentando o risco de cancro de pele: as células atingidas morrem e libertam toxinas, responsáveis pela náusea e pela febre. Quando morrem muitas, surge a escamação da pele.

Uma queimadura solar com bolhas duplica o risco de ocorrência de um melanoma maligno.

A queimadura solar indica o grau de exposição recente à radiação, mas também o UVA penetra na pele. Ambas as radiações, UVA e UVB, provocam cancro da pele.

Exemplo de uma queimadura solar (Autor: Imagem em domínio público)

Exemplo de uma queimadura solar (Autor: Imagem em domínio público)

Riscos da Queimadura Solar

Com a proximidade ao equador terrestre aumenta o risco de queimadura solar. As pessoas mais claras, ruivas e/ou com sardas têm um maior risco de sofrer uma queimadura solar. Contudo, alguns produtos farmacológicos podem tornar os seus utilizadores mais vulneráveis à radiação UV.

Todavia, para lá das modas da pele bronzeada, no hemisfério sul têm aumentado as queimaduras solares, por causa da destruição da camada de ozono.

Proteção Solar

Um protetor solar deve ser eleito para bloquear a luz UV: quanto mais alta a taxa de FPS, maior a proteção.

É aconselhável utilizar um bloqueador de espectro grande para proteger das radiações UVA ou UVB.

Ao realizar provas aquáticas, deve-se utilizar fórmulas à prova de água.

O protetor solar deve ser reaplicado a cada 2-3 horas. Especialistas há que aconselham, para melhor proteção, a aplicação de 15 a 30 minutos antes da exposição solar, e reaplicado após 15 ou 30 minutos de exposição ao sol. Devem-se fazer reaplicações constantes, consoante a atividade física do utilizador.

Existem, atualmente, roupas de proteção solar, classificadas mediante o Fator de Proteção Ultravioleta, semelhante à graduação FPS dos protetores solares.

Quem trabalhar com fontes artificiais de UV deve, também, proteger-se, usando vestuário especial de proteção. Não se devem de descurar os olhos, que devem ser, também, protegidos, pois a luz UV implica o desenvolvimento de pterígio e de cataratas.

Primeiros Socorros na Queimadura Solar

Se bem que apenas o tempo dite a melhoria das queimaduras solares, pode aplicar-se uma toalha fria e húmida na área afetada ou tomar um banho frio. Também existem pomadas específicas para casos mais graves.

Para o alívio de uma queimadura solar, há produtos que contêm ALOÉ com LIDOCAINA e/ou Vitamina E. O analgésico, o paracetamol ou o ibuprofeno, podem sanar a dor da queimadura solar. Já para a escamação também existem medicamentos antialergénicos para travar a comichão da queimadura.

Etiquetas: as várias radiações solares, desenvolvimento da queimadura solar, riscos da queimadura solar, sequelas das radiações solares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.