Nós usamos cookies para melhorar o nosso serviço. Ao usar o Em Forma, está a consentir à utilização de cookies. Aceitar Saber mais


Aterosclerose

  • Português

A placa de ateroma é a lesão responsável pela aterosclerose, sendo esta composta por uma série de substâncias que são depositadas e que se começam a acumular na camada mais interna das paredes arteriais, ou seja, na túnica íntima.

Ainda assim, a sua formação não é algo que acontece subitamente.

Aliás, o seu desenvolvimento leva muito tempo, podendo demorar várias décadas.

Inicialmente, essa lesão apenas resulta num relevo ligeiro, mole e homogéneo na parede arterial.

Este processo vai evoluindo ao longo das seguintes fases:

• Primeira fase – Os ácidos gordos e o colesterol circulam no sangue, infiltrando-se na túnica interna artérias, começando gradualmente a acumular-se no seu interior.

• Segunda fase – As células musculares e as fibras do tecido conjuntivo, que compõem a parede arterial, passam a acumular-se e desenvolver-se progressivamente em volta da acumulação de substâncias gordurosas, começando a formar uma espécie de invólucro.

• Terceira fase – Nesta fase, começa a depositar-se no seio da lesão quantidades cada vez maiores de cálcio. Este mineral acaba por conferir à placa de ateroma a sua rigidez e fragilidade características.

Atingindo esta fase o processo torna-se irreversível.

[-] Índice de conteúdos

Aterosclerose e Fatores de Risco

A formação de placas de ateroma depende de vários fenómenos, entre os quais a excessiva permeabilidade aos ácidos gordos e ao colesterol por parte da túnica íntima arterial, a existência de lesões microscópicas na superfície das artérias resultantes da turbulência do próprio fluxo sanguíneo ou então a alteração na estrutura das fibras conjuntivas elásticas.

Ainda assim, para já, ainda não são conhecidos com exactidão os mecanismos íntimos que proporcionam estas ocorrências.

É certo, no entanto, que existem vários fatores de risco que, conformo comprovam os dados estatísticos, acabam por favorecer o desenvolvimento das placas de ateroma.

Alguns desses factores são:

• Idade: Quase sempre, a aterosclerose ocorre quando as placas de ateroma já estão bem constituídas, podendo provocar repercussões em pessoas com idade superior a 50 anos.

Quase sempre, a aterosclerose ocorre quando as placas de ateroma já estão bem constituídas, podendo provocar repercussões em pessoas com idade superior a 50 anos (Autor: David Hodgson)

Quase sempre, a aterosclerose ocorre quando as placas de ateroma já estão bem constituídas, podendo provocar repercussões em pessoas com idade superior a 50 anos (Autor: David Hodgson)

• Sexo: Este problema cardiovascular tem uma incidência superior nos homens, sendo três vezes mais frequente nestes do que nas mulheres.

• Predisposição genética: A incidência de aterosclerose ocorre com maior incidência em algumas famílias do que na restante população em geral.

• Tabagismo: O fumo libertado pelo tabaco contém várias substâncias, tais como a nicotina e o monóxido de carbono, que têm um efeito nocivo sobre as paredes das artérias. Deste modo, o risco de alguém vir a sofrer de aterosclerose é diretamente proporcional à quantidade de cigarros fumados por dia.

• Hipertensão arterial: Basicamente, podemos dizer que a aterosclerose é duas vezes mais frequente em pessoas que têm problemas de hipertensão do que na população em geral. Isso acontece devido ao fato de o sangue formar turbulências que acabam por provocar lesões microscópicas na parede arterial, devido a circular com mais força do que o normal.

• Hipercolesterolemia: Quanto mais elevados forem os níveis de colesterol no sangue, maior será a sua deposição na túnica íntima das artérias, favorecendo assim o desenvolvimento de placas de ateroma.

• Diabetes: Em pessoas com problemas de diabetes e que não cumprem com o tratamento adequado, o risco de sofrer de aterosclerose é dez vezes superior ao das outras pessoas.

• Obesidade conjugada com sedentarismo e stress: Todos estes fatores favorecem o desenvolvimento de aterosclerose. Visto que é comum ocorrerem em conjunto, o que é bastante frequente, o risco é cada vez maior.

• Utilização de contraceptivos orais: O estrogénio (hormona feminina) favorece o depósito de gorduras na túnica íntima das artérias. Assim, o consumo prolongado de pílulas contraceptivas pode causar a aterosclerose pois estas contêm estrogénio.

Tratamento da Aterosclerose

Não existe um tratamento curativo para a aterosclerose.

Isso acontece porque, depois de formadas, as placas de ateroma já não podem ser dissolvidas.

Por isso, o mais importante é a sua prevenção, principalmente por controlar ou eliminar os diversos fatores de risco.

Ainda assim, com o objectivo de limitar as repercussões da aterosclerose, nalguns casos, podem ser utilizados vários tipos de medicamentos, tais como os vasodilatadores, que poderão ajudar a manter o lúmen arterial patente.

Existe ainda uma outra alternativa que é a realização de determinadas intervenções cirúrgicas com o objectivo de reparar as artérias lesionadas e restabelecer a normalidade do fluxo sanguíneo.

Por exemplo, por vezes existe a possibilidade de se proceder à reparação de um sector da parede arterial, em que existem grandes placas de ateroma, através de uma técnica que consiste na introdução de um cateter na artéria afetada, podendo depois ser utilizados vários tipos de técnicas, tais como a remoção de uma placa de ateroma do interior da artéria, ou através da compressão da placa de ateroma contra a parede arterial através de um balão que é insuflado a partir do exterior, após ter sido colocado no ponto preciso.

Existe ainda a possibilidade de se colocar uma prótese metálica no interior da artéria obstruída, de modo a impedir a sua reobstrução.

Outra possibilidade é fazer-se um bypass entre um ponto anterior e outro posterior ao vaso obstruído, sendo utilizado um segmento de um vaso do próprio paciente.

No entanto, este tipo de procedimento apenas é adotado nos casos de maior risco.

Prevenção da Aterosclerose

Visto que a aterosclerose é uma das principais causas de muitas das doenças mais graves e perigosas que ocorrem nos países industrializados, é muito importante que se opte pela sua prevenção.

No fundo, a grande maioria das recomendações consideradas fundamentais para se levar uma vida saudável são as necessárias para a prevenção desta doença.

Exceptuando a idade, o sexo e a predisposição genética, todos os outros factores de risco podem ser eliminados, encontrando-se entre as principais medidas preventivas o deixar de fumar, o controlo da hipertensão arterial, uma dieta alimentar equilibrada e a prática de exercício físico regular.

Avalia este conteúdo
2.875/5 (2 votos)
Etiquetas: causas da aterosclerose, diagnóstico da aterosclerose, obesidade, sintomas da aterosclerose, tratamento da aterosclerose

Leave a Reply

Your email address will not be published.