Nós usamos cookies para melhorar o nosso serviço. Ao usar o Em Forma, está a consentir à utilização de cookies. Aceitar Saber mais


Os Maus Hábitos Alimentares dos Portugueses

Imagem de Arroz de Marisco (Autor: Mónica Monguinhas)

O Arroz de Marisco é um dos típicos pratos portugueses (Autor: Mónica Monguinhas)

Portugal é conhecido como um país onde se come e bebe muito bem.

No entanto, quando falamos em comer e beber bem, referimo-nos a tudo menos aquilo que é mais importante: uma alimentação equilibrada.

Na verdade, além de não praticarem exercício físico, segundo um inquérito realizado pela revista Pro Teste num universo de mais de três mil portugueses, a sua alimentação é muito pouco equilibrada.

Além de não comerem nas aturas certas, os portugueses ainda abusam também das gorduras, do sal e do álcool, entre muitos outros maus hábitos alimentares.

Segundo este estudo, são poucos os portugueses que dedicam pelo menos trinta minutos diários à prática de exercício físico. Além disso, são também poucos os que comem frutas e legumes em quantidades suficientes, preferindo em vez disso comer gorduras saturadas. Outro problema é que 40% dos portugueses tem o hábito de ir comendo doces e salgados nos intervalos entre as principais refeições.

De fato, assim como vem acontecendo na generalidade dos países ocidentais, em Portugal pratica-se uma dieta desequilibrada e um estilo de vida sedentário, sendo estas as principais causas para o aumento da obesidade. Como resultado, à medida que o peso médio dos portugueses vai aumentando, a saúde vai diminuindo. Um dos maus hábitos mais graves dos portugueses está no entanto ligado com a abstenção da refeição mais importante do dia. Sim!

Mais de 10% dos portugueses, tanto adolescentes como adultos, não tomam o pequeno-almoço, quando esta deveria ser a refeição em que a pessoa se alimenta melhor. Mas, dos restantes 90%, são poucos aqueles que fazem do pequeno-almoço, a refeição mais importante. Na verdade, cerca de 50% dos portugueses ingerem mais calorias ao jantar do que ao pequeno-almoço e ao almoço, quando das três, essa é a refeição em que existe uma menor necessidade nutricional.

Um dos maiores problemas dos portugueses é a falta de informação, pois estar informado sobre saúde pode ajuda as pessoas a adoptarem bons hábitos. No entanto, cerca de 85% dos portugueses pouco sabem sobre como fazer uma alimentação saudável. De fato, muitos são os que acreditam em falsos mitos tais como o de que comer espinafres ajuda a se ter mais energia e o mito de que não se deve beber água às refeições porque engorda.

Merecem também atenção os hábitos alimentares dos mais jovens, visto que muitos problemas de saúde, tais como as doenças cardiovasculares, têm origem em erros alimentares que nos são incutidos durante a infância. Cerca de um em cada quatro dos adolescentes, entre os 13 e os 17 anos de idade, costuma petiscar entre as refeições, enquanto está à frente da televisão ou do computador.

Pior ainda é que, geralmente, escolhem bolos, bolachas doces, gomas e batatas fritas, ou seja, alimentos pouco interessantes do ponto de vista nutricional. Assim, não admira que cerca de 20% dos adolescentes portugueses tenha excesso de peso. Além disso, 25% dos jovens diz comer hambúrgueres e pizzas pelo menos uma vez por semana e 5% come esse tipo de alimentos mais de 2 vezes por semana ou até diariamente.

[-] Índice de conteúdos

Intervenção Política Necessária

Tendo em conta os resultados deste inquérito realizado pela revista Pro Teste, é importante que o governo tome medidas para implementar algumas campanhas que promovam a informação dos portugueses sobre como a alimentação influencia a sua saúde.

Na verdade, ao passo que a televisão bombardeia os portugueses com anúncios sobre alimentos pouco saudáveis, pouca é a informação difundida que vá em sentido contrário.

Por isso, seria importante que o governo português agisse no sentido de limitar a publicidade aos alimentos altamente calóricos e também que promovesse campanhas publicitárias que ajudassem na prevenção da obesidade.

Apesar de estas poderem ser medidas que no imediato poderiam ter alguns custos para o governo, no futuro, com a melhoria da saúde dos portugueses, o Estado conseguiria poupar muito dinheiro. Portanto, tudo o que for feito agora para ajudar os portugueses a melhorar os seus hábitos alimentares é um investimento a médio prazo que resultará numa melhor saúde dos portugueses com tudo o que essa melhora pode acarretar.

Avalia este conteúdo
3.225/5 (14 votos)
Etiquetas: hábitos alimentares, obesidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.