Nós usamos cookies para melhorar o nosso serviço. Ao usar o Em Forma, está a consentir à utilização de cookies. Aceitar Saber mais


Agachamento

O agachamento é sem dúvida o melhor exercício para as pernas, mesmo que ele tenha a má reputação em criar lesões nas costas (mais comum) e nos joelhos.

Esta má reputação é um mito urbano espalhado por todos aqueles que nunca souberam fazer o movimento correctamente e ao longo do tempo acumularam lesões.

Como iremos ver este exercício seguro e benéfico para construção de massa muscular.

Normalmente as lesões neste exercício são feitas quando o movimento não é feito em completo e até ao fundo.

Agachamentos parciais podem criar tendinites e dar uma falsa ilusão de que se pode levantar mais peso, esta é também a forma mais comum para lesionar a parte inferior das costas.

O agachamento trabalha no quadril, glúteos, parte superior e inferior das costas, ombros, braços, coxas, frente e abdominais laterais em forma isométrica.

Este artigo concentra-se na aplicação correcta do movimento e exercícios complementares que podem ser feitos a fim de melhorar a técnica. Esses exercícios complementares devem ser realizados por novatos e esporadicamente por praticantes experientes.

Os benefícios directos do agachamento são um choque no sistema nervoso, secreção do hormona do crescimento, e testosterona. Consequentemente é normal em atletas na faixa etária dos 18-24 sentir um forte estímulo no libido após uma dura sessão de agachamento.

O equipamento necessário para a realização do agachamento são uma barra de preferência olímpica, pesos e uma jaula. A barra olímpica é preferida pois ajuda a estabilizar o centro de gravidade impedindo oscilações do tronco [2,6] Para dar mais segurança ao movimento pode-se usar adicionalmente um cinto sem qualquer preferência, e nos joelhos uma ligadura. [4,5,7]

Nota: A utilização de ligaduras e cinto apenas aumenta o nível de segurança do exercício e não deve ser usado como motivação para levantar pesos exagerados. Tanta as ligaduras e cintos devem estar apertados quanto baste.

Importante: O agachamento nunca deve ser feito sozinho nas séries mais pesadas, recomenda-se sempre a ajuda de uma ou duas pessoas, um em cada lado para sustentar o peso total da barra e dos pesos no caso de um movimento repentino feito pelo atleta. Este tipo de ajuda é particularmente utilizado nos campeonatos, onde há mais hipótese da barra oscilar e ficar instável.

O movimento deve ser feito equilibrando a anca e joelhos usando os músculos biomecanicamente de modo correcto. Nunca iniciar o exercício levantando a barra da jaula mas sim quando estiver alguns centímetros atrás.

[-] Índice de conteúdos

Durante o Agachamento

A melhor maneira de fazer o agachamento é com a coluna numa posição neutra e não estritamente vertical ao chão. O objectivo é também manter a cabeça numa posição neutra, paralelo ao tronco, de modo a não fazer muita pressão na coluna cervical. O ângulo dos pés deve ser de 30 º para fora sendo importante e irá reflectir-se na profundidade em que o tronco vai conseguir chegar e provocar stress nos glúteos (principal objecto).

Durante o exercício é essencial que a barra seja colocada na parte posterior dos deltoídes e não sobre o trapézio como é comum ver nos ginásios, este método está completamente errado. Ao colocar a barra na parte posterior dos deltoídes estamos a remover peso da parte mais frágil da coluna, a cervical. Em vez disso usamos um centro de gravidade que reduz a pressão sobre a coluna vertebral em 21% [1,2].

A barra colocada no posterior dos deltoídes também causa menos tendência para a zona inferior das costas rodar / oscilar, devido à maior estabilidade.

Com séries mais pesadas, há uma maior tendência para curvar as costas e usar os braços para puxar o peso, se isso soa familiar, então é porque o exercício está a ser feito de forma errada. Quanto mais as mãos estão posicionadas no interior da barra melhor, pois a pressão será feita nos músculos internos do tronco e não directamente sobre os ossos.

O polegar deve estar sempre acima da barra para garantir que o pulso está perfeitamente em paralelo com o braço, evitando assim a pressão do punho e a elevação dos pesos com os braços.

A posição correcta para os joelhos é ligeiramente à frente dos pés, dependendo da anatomia de cada atleta.

Fase Inicial do Agachamento

Nesta fase o peito deve estar para fora de modo a causar stress nos glúteos e nos glúteos.

Quando os joelhos avançam muito para a frente é sinal de que os glúteos estão relaxados, isto pode ser um problema, o que acontece é que quando esta posição de joelhos é tomada, será mantida durante todo o movimento.

Fase Intermédia do Agachamento

A fase intermédia do movimento é atingida no ponto mais baixo do movimento, quando a parte superior da coxa é inferior ao nível superior dos joelhos, ou seja, o movimento deve ser feito o mais fundo possível.

Quando o movimento é bem feito, há uma completa flexão do quadril e os glúteos são completamente esticados. A velocidade ideal é não muito rápido nem muito lento, o fulcral é criar um efeito elástico que dará impulso de volta para cima.

Este efeito é uma característica biomecânica do corpo humano que pode ser amplificado através do uso de ligaduras. Atletas com pouca elasticidade devem colocar um pau nos calcanhares dos pés de forma a facilitar o movimento.

Atenção: Uma forma de lesionar os joelhos é quando estamos na posição mais baixa do movimento e relaxamos os glúteos resultando no movimento dos joelhos para a frente, dificultando o resto do movimento para cima. Esta tendência é mais visível nas últimas repetições do exercício.

Fase Final do Agachamento

Na fase final do movimento a barra deve ser colocada sobre o apoio da jaula andando em frente até bater nela e só então ai baixar a barra vertical.

Vídeo Explicativo

Um Exercício Complementar (Desafio Para os Veteranos)

Um bom método para treinar a forma correcta de fazer o agachamento é praticar o agachamento perto de uma parede, nunca tocando nela com os joelhos ou com a cabeça.

Referências

[1] – Mark Rippetoe – Starting Strength, 2006
[2] – Lander JE, Bates BT, Devita P – Biomechanics of the squat exercise using a modified center of mass bar, Med Sci Sports Exerc, 1986.
[3] – Capozzo A, Felici F, Figura F, Gazzani F – Lumbar spine loading during half-squat exercises, Med Sci Sports Exerc, 1985.
[4] – McGill SM, Norman RW, Sharratt MT – The effect of an abdominal belt on trunk muscle activity and intra-abdominal pressure during squat lifts, Department of Kinesiology, University of Waterloo, Ontario, Canada. 1990.
[5] – Lander JE, Simonton RL, Giacobbe JK – The effectiveness of weight-belts during the squat exercise, Department of Health and Human Performance, Auburn University, AL 36849-5323, 1990.
[6] – Potvin JR, McGill SM, Norman RW – Trunk muscle and lumbar ligament contributions to dynamic lifts with varying degrees of trunk flexion, Department of Kinesiology, University of Waterloo, Ontario, Canada. 1991.
[7] – Lander JE, Hundley JR, Simonton RL – The effectiveness of weight-belts during multiple repetitions of the squat exercise, Department of Sports Health Science, Life College, Marietta, GA 30060 , 1992.
[8] – Dolan P, Earley M, Adams MA – Bending and compressive stresses acting on the lumbar spine during lifting activities, University of Bristol, U.K. 1994.
[9] – Warren LP, Appling S, Oladehin A, Griffin J – Effect of soft lumbar support belt on abdominal oblique muscle activity in nonimpaired adults during squat lifting, Department of Allied Health, Chattanooga State Technical Community College, Tenn, USA, 2001.
[10] – Giorcelli RJ, Hughes RE, Wassell JT, Hsiao H – The effect of wearing a back belt on spine kinematics during asymmetric lifting of large and small boxes, Division of Safety Research, National Institute for Occupational Safety and Health, Morgantown, West Virginia 26505, USA, 2001.
[11] – Anderson K, Behm DG – Trunk muscle activity increases with unstable squat movements, School of Human Kinetics and Recreation, Memorial University of Newfoundland, St. John’s, Newfoundland, A1C 5S7, 2005.
[12] – Bazrgari B, Shirazi-Adl A – Spinal stability and role of passive stiffness in dynamic squat and stoop lifts, Division of Applied Mechanics, Department of Mechanical Engineering, Ecole Polytechnique, Montreal, Québec, Canada, 2007

Avalia este conteúdo
3.15/5 (5 votos)
Etiquetas: durante o agachamento, fase final do agachamento, fase inicial do agachamento, fase intermédia do agachamento, ginásio, massa muscular, squat, squat movement
Um comentário sobre “Agachamento
  1. Thalia Lima disse:

    Legal, obrigada entrei aqui para terminar meu trabalho de educação física.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.